Como preservar a dignidade de pacientes com demência?

Alzheimer -dignidade COMO PRESERVAR A DIGNIDADE DE PACIENTES COM DEMÊNCIA (ALZHEIMER)

Preservar a DIGNIDADE de um paciente com Alzheimer é prover meios para pessoas fazerem suas próprias coisas. Muitas vezes isso exige boa dose de paciência e uma muita orientação misturada com compreensão por parte  do cuidador.

Sempre que vêm à tona questões relacionadas a cuidados na demência, surge necessariamente a discussão sobre a dignidade do paciente.

PRESERVAR A DIGNIDADE DE UMA PESSOA COM ALZHEIMER É PRESERVAR A PRÓPRIA PESSOA A SER ELA MESMA.

Por exemplo, sua mãe costuma levantar-se toda manhã e saúda o dia com  uma xícara de café e comida quente. Porém agora que ela está com demência, esta rotina que ela executou anos e anos, tornou-se um desafio diário. Durante muitos anos ela preparou seu próprio café da manhã, mas agora ela tem que fazer um grande esforço até mesmo para ligar a cafeteira ou a torradeira.

Ao ver essa cena, você se sente mal e começa a ajudá-la, acreditando que estará fazendo o melhor para conforto dela. Levanta-se antes dela e prepara o café, prepara a comida quente preferida e deixa tudo prontinho na mesa.

Passados alguns meses desta nova rotina, sua mãe começa a ter problemas para se alimentar sozinha. Vai sentar-se à mesa, vai  olhar a colher e em seguida, sem entender a sua utilidade, deixá-la de lado, comerá  com as  mãos, colocando-as direto dentro do prato e derramará a comida na mesa.

Você fica horrorizado e começa a alimentá-la, em todas as refeições, dando comida à sua boca.

Vamos ver a questão por outro ângulo: ao ajudar sua mãe a se alimentar todas as manhãs, todos os dias, você tirou dela sua independência. É verdade que ela tem dificuldade de realizar esta e outras tarefas básicas, Mesmo assim, não devemos eliminar os desafios do dia a dia. Em lugar disso, que tal AJUDÁ-LA A SE AJUDAR, isto é, ao invés de FAZER POR ELA, estimulá-la a fazer  por si mesma, a FAZER COM ELA.

O objetivo é buscar sempre preservar a independência do paciente nas refeições.

Alguns  pacientes de demência estão num estágio em que não conseguem mesmo saber como usar alguns utensílios (garfo, colher, por exemplo). Nestes casos, antes de dar alimento em suas bocas, é recomendável orientá-los e  auxiliá-los no uso correto do objeto. Se estiverem apresentando algum comprometimento motor nas mãos, sempre  sob orientação de profissional especializado, encontrar (existem vários à venda) uma adaptação funcional nos utensílios. Segure a mão do paciente e ajude-o a segurar corretamente a colher, por exemplo, a introduzi-la na tigela ou no prato e levá-la à boca. Após algumas repetições o paciente pode mesmo começar a se alimentar por si só.

Recomendável que outros pequenos afazeres do dia a dia (secar a louça, dobrar roupas, recolher roupas do varal, compor a mesa para as refeições, cuidar de plantas em jardins suspensos, lavar e enxugar as mãos antes das refeições, etc.) sejam delegados como parte de uma rotina planejada, com orientação. Estas atividades estimulam os aspectos cognitivos, motores e emocionais.

E em última instância, o importante é que, ao fazer algumas atividades sozinha, com orientação mas sozinha, você estará buscando a PRESERVAÇÃO DA SUA AUTO-ESTIMA E SUA DIGNIDADE.

Para a escolha das atividades mais apropriadas é recomendável uma avaliação do estágio da demência por um profissional de Terapia Ocupacional  com experiência e conhecimento em gerontologia.

***************************************************************************************
Artigos relacionados:
– 16-coisas-de-que-gostaria-se-eu-ficar-com-demencia
10 coisas que o idoso com Alzheimer gostaria de lhe falar, se poudesse.
– 50 conselhos para viver feliz na terceira idade
13 dicas para famílias que têm uma pessoa na melhor idade em casa


– VEJA TAMBÉM: É fácil ensinar um idoso a usar a internet?idosa e computador
*
************************************************************************************
Equipe 3iMelhor

É importante para nós que o conteúdo seja útil. Se gostou do que publicamos, deixe o seu comentário abaixo ou relate suas experiências. Quanto mais trocamos ideias, mais conseguimos ajudar pessoas a viver melhor. Obrigado.

email

This entry was posted in Comportamento, Cuidadores, Saúde e Cuidados by Cida Griza. Bookmark the permalink.
Cida Griza

About Cida Griza

. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise - PUC/PR . Especialização em Atenção à Saúde do idoso (Gerontologia) - UFSC/SC . Coordenadora da Abraz-Subregional de Joinville/SC (2002 - 2010) . Professora Universitária na disciplina de Geriatria e Gerontologia - ACE/SC . Professora do curso de pós graduação em Gerontologia - FURB/SC . Professora do Grupo ECM - Estimumlação Cognitiva e Motora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *